Artigos

9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL

O presente artigo tem como proposito refletir em alguns pontos sobre os sinais de uma igreja saudável. A eclesia (Igreja) foi instituída por Deus como porta-voz do evangelho do reino entre os homens, sua missão já vem assinalada com a garantia de êxito. O reino de Deus chegou! Orlando Costa afirma que: “a igreja se reúne para celebrar o reino, e se espalha para sinalizar o reino”.

Entretanto, para ser uma igreja influenciadora na sinalização do reino, ela precisa ter internamente uma sólida base teológica e bíblica. Refletindo sobre esses pontos cruciais para o amadurecimento e progresso da igreja de Cristo, a Convenção Paulistana Leste, durante o quarto semestre de 2012, disponibilizou a todas as igrejas locais sermões específicos, tratando sobre as 9 marcas de uma igreja saudável, com base no livro - com o mesmo título - do pastor Mark Dever. Todos os temas foram escolhidos à luz de critérios teológicos e bíblicos. Logo, o objetivo foi uma exposição detalhada sobre vários aspectos que definem uma igreja verdadeiramente saudável. Também foi proposto à liderança que identificasse quais marcas estavam presentes e quais estavam ausentes na comunidade local. Pois, se fosse detectada a ausência de alguma, era o momento apropriado e adequado para correções e mudanças.

A seguir, apresentamos uma análise sucinta de cada uma delas e, em forma de artigo, estendemos essa reflexão a todos os crentes em Cristo de nossa convenção.

1 – Pregação expositiva
O foco desta abordagem inicial é a exposição bíblica, cujo objetivo é expor o que é dito em uma passagem particular da Bíblia, explicando cuidadosamente seu significado e aplicando-o à congregação (Nm 8:8). Existem, evidentemente, muitos outros tipos de pregação. Entre elas: tópicos, textuais, bibliográfico , etc.
Mas a pregação expositiva é algo diferente – uma explicação e aplicação de uma porção particular da Palavra de Deus, levando em conta sua fidelidade ao texto sagrado e se utilizando do contexto da passagem, tomando o ponto da passagem como o ponto da mensagem . Portanto, a pregação expositiva aumenta a qualidade dos sermões e proporciona ao seu expositor fazer com mais brilhantismo sua exposição. Sendo didática, ela facilita a compreensão dos ouvintes.

2 – Teologia bíblica 
A segunda marca eloquente de uma igreja saudável está na sua teologia, ou seja, no seu conteúdo dogmático e teológico. Se uma igreja se adequar a ensinos contrários ao revelado nas Escrituras Sagradas, essa igreja está desfocada da visão de Deus para si.
Uma igreja verdadeira tem como alicerce e base de seus dogmas uma teologia centrada e pautada única e exclusivamente nas Escrituras.
Em 1 Timóteo 6.3, Paulo contrasta as "falsas doutrinas" com as "sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo”. Assim, na sua segunda carta a Timóteo, Paulo exorta-o a manter “o padrão das sãs palavras que de mim ouviste” (2 Tm 1.13). Paulo adverte que "haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina...” (2 Tm 4.3). Essa era uma preocupação do apóstolo, assegurar que todo o conteúdo crido, vivenciado e ensinado pela igreja em seus primórdios fosse bíblico e teológico, ou seja, sadio, puro e incontaminado. A segunda marca de uma igreja saudável é a fidelidade bíblica em sua pregação e ensino.

3 - Uma compreensão bíblica quanto às boas novas
O evangelho é o centro do cristianismo e por isso deve ser o centro da nossa fé. Uma igreja saudável está repleta de pessoas que têm um coração voltado para o evangelho, e ter um coração voltado para o evangelho significa ter um coração voltado para a verdade: para a apresentação de Deus a respeito dEle mesmo, para a nossa necessidade, para a provisão de Cristo, e para a nossa responsabilidade .
A igreja é a portadora da maior mensagem da história da humanidade: o evangelho de Cristo. Logo, é preciso que a mesma compreenda o porquê dessa mensagem, seu conteúdo e importância. Quando há esse conhecimento, o crescimento saudável acontece naturalmente. Compreender o evangelho é um desafio para a igreja moderna. Muitos estão centrados em tradições, em dogmas, mas não conhecem o cerne do evangelho de Cristo. Avancemos nessa terceira marca, conheçamos mais e mais o santo evangelho de Cristo.

4 – Uma compreensão bíblica quanto à conversão
A igreja evangélica brasileira está confusa e já não sabe a diferença entre adesão e conversão. Inúmeras pessoas aderem a um determinado grupo religioso e acham que isso é tudo - estão salvas. Todavia, a conversão bíblica é algo totalmente diferente, pois tem a ver com mudança de rota, de direção, da antiga maneira de viver para uma nova vida no Espírito. 
E quem passou por esse processo desfruta, no aqui e agora, a presença do Espírito Santo como penhor do que ainda há por vir (Ef 1.14); experimenta a alegria e os poderes do mundo vindouro (Hb 6.4-5); compartilha da natureza de Cristo como primícia da ressurreição ainda por ocorrer; já tem a vida eterna, que significa conhecer a Deus e ao seu filho Jesus Cristo (Jo 17.1-3); desfruta um novo coração (Sl 51.10; Ez 11.19; 36.26; Jo 3.3; Gl 6.15); foi liberto do domínio do pecado e da lei (Rm 6.1-14; 7.1-6); é guiado pelo Espírito de Deus (Rm 8.1-17). Quem verdadeiramente se converte a Jesus Cristo tem sua natureza caída transformada pelo Espírito Santo, pois quem é nascido da carne é carne, mas quem é nascido do Espírito é espírito (Jo 3.6).

5 - Uma compreensão bíblica quanto ao evangelismo
A maneira como encaramos o evangelismo está intimamente ligada à maneira como entendemos o evangelho. O ide de Jesus é abrangente e coletivo. De fato, essa atividade exterior da igreja de Cristo é para todos e em todo tempo um imperativo de nosso Senhor. 
"Nós deveríamos estar mais preocupados em conhecer e ensinar o próprio evangelho do que simplesmente tentar ensinar às pessoas métodos e estratégias para compartilhá-lo." 
O crescimento puro e verdadeiro é aquele que vem do Senhor, apenas oramos, plantamos e regamos, mas o Senhor é quem faz frutificar e é quem acrescenta o número dos salvos dia a dia. Voltemos ao evangelho nessa importante área da igreja: o evangelismo.

6 - Uma compreensão bíblica quanto à membresia da igreja 
A membresia de uma igreja é o ato de perceber um ao outro em responsabilidade e amor, e pertencer a um corpo - a igreja, cuja cabeça é o próprio Cristo. Isso nos identifica com uma igreja particular, permitindo que os pastores e demais membros da igreja local saibam que nós pretendemos manter um compromisso como grupo-base, na frequência, na contribuição, na oração e no serviço .
A ideia bíblica de corpo nos remete à ideia de membresia, por isso que o anseio de Deus é que na igreja cada membro viva e sirva a Ele e aos irmãos em amor. Ser membro envolve participar e interagir com a vida do outro sempre.
Ser membro significa estar incorporado de forma prática no corpo de Cristo. Significa viajarmos juntos como estrangeiros e peregrinos neste mundo enquanto caminhamos rumo ao nosso lar celestial. Ser membro é mais que estatística, é o compromisso sincero de avançarmos o Reino de Deus no mundo, num corpo que tem tanto a força como a mente do próprio Cristo.

7 - Disciplina eclesiástica
Deus é Pai (Abba) e como tal tem autonomia para corrigir e disciplinar a quem Ele ama. Para isso, a liderança eclesiástica do seu povo utiliza a Bíblia para corrigir, admoestar e disciplinar em amor os membros do corpo de Cristo.
É imprescindível que todo ato de banir o pecado e de correção sobre aquele que o praticou, seja exercido em amor. Pois o propósito principal da disciplina bíblica não é a exclusão do membro, mas a sua autoavaliação referente àquele erro e consequentemente a sua mudança de atitude.
Disciplina eclesiástica bíblica é simplesmente obediência a Deus e uma simples confissão de que nós precisamos de ajuda. Seu propósito é positivo (1) para o indivíduo que está sendo disciplinado, (2) para outros cristãos, na medida em que veem o perigo do pecado, (3) para a saúde da igreja como um todo e (4) para o testemunho corporativo da igreja. E, acima de tudo, (5) nossa santidade deve refletir a santidade de Deus . Em tempos de relativismo do evangelho e fraqueza no exercício do ministério pastoral, oremos para que Deus levante pastores tementes a Deus que mostrem amor pelo rebanho e por seu legítimo dono - Cristo, exercendo a disciplina bíblica, corretiva e amorosa, para que haja mais saúde no corpo da igreja.

8 - Discipulado cristão e o crescimento da igreja
Essa marca tem sido esquecida por boa parte dos cristãos. A maturidade espiritual precisa ser desenvolvida dia após dia na vida do seguidor de Cristo Jesus. Atualmente, “o crescimento é visto como um item opcional reservado para discípulos particularmente zelosos ou para pastores. Entretanto, crescimento é um sinal de vitalidade espiritual” da igreja. Uma igreja saudável cresce, porém nem tudo que cresce é saudável.
O desenvolvimento pessoal dos membros influencia muito na vida espiritual da igreja. Logo, investir nessa área é indispensável. Quando cada membro do corpo cresce em santificação e maturidade diante de Deus, a igreja como um todo se solidifica.
Logo, é preciso trabalhar para promover o discipulado e o crescimento de forma saudável na vida da igreja. Esta é a exortação bíblica: "crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus” (2 Pe 3.18). Para nós da Convenção Paulistana Leste, o primeiro crescimento é o espiritual, bíblico, evangélico, que resulta indubitavelmente no crescimento do número de salvos e de novos discipuladores que se reproduzirão nas redes de discipulado e grupos de comunhão que Jesus Cristo vai espalhar por toda a Convenção Paulistana Leste. Busquemos o crescimento da igreja em todas as áreas.

9 - Liderança bíblica
A vida de um líder está intimamente ligada ao conteúdo da sua pregação e à forma como a sua vida pessoal evidencia aquilo que ele ministra. De fato, a maior pregação de um líder é a sua vida, o seu exemplo para os colegas de trabalho, para os familiares e para os irmãos em Cristo, pois ela expressa uma mensagem visível para quem está a sua volta.
Logo, um líder bíblico tem a sua vida, ministério e pregação alicerçados nas Escrituras Sagradas, resultando numa vida piedosa e santa. Ele tem a Bíblia como fonte de inspiração em seus ensinos e práticas. A maturidade da liderança reflete no crescimento saudável da igreja como um todo. Uma igreja só é saudável quando tem líderes saudáveis espiritualmente, intelectualmente e emocionalmente. Ou seja, só teremos líderes saudáveis quando todos, do Dijap ao pastorado, alicerçarem-se nas Escrituras Sagradas, e delas falarem "...sentados em casa e andando pelo caminho, ao deitarem e ao levantarem" (Dt 6.7), guardando a Palavra no coração (Sl 51.11).

Considerações finais
Diante de todas essas marcas que caracterizam uma igreja verdadeiramente saudável, a proposta da Convenção Paulistana Leste é que cada vez mais seja possível contemplar esses sinais na vida das igrejas locais e nos membros.
Pois não há como construir uma igreja madura sem a cooperação de todos os líderes e liderados envolvidos. Nossa humilde proposta é solidificar uma igreja forte e alicerçada na Bíblia, que seja fiel no púlpito, por meio das pregações, que tenha uma teologia genuinamente bíblica, que entenda as boas e as más notícias do evangelho, que compreenda a conversão, que conheça os métodos de Deus para o evangelismo, que entenda o que é a membresia da igreja e a disciplina eclesiástica, que invista em discipulado e crescimento da igreja em todas as áreas e, por fim, que tenha um corpo de liderança verdadeiramente bíblico.
Portanto, a Diretoria da Convenção Paulistana Leste ora e conclama a todos para que cada vez mais possam pensar, refletir e ensinar a sua igreja local sobre a importância de crescermos saudavelmente em santidade e maturidade exigidas no evangelho da graça.
A nossa oração é que Deus tenha usado e continue usando estas exposições como um meio de preparar a sua noiva, a igreja, com graça e misericórdia para o dia do grande encontro com Cristo. 

A Ele, a glória.
Sua Família no evangelho - Convenção Paulistana Leste